Discípulo do Mestre e Senhor Jesus Cristo

A Graça da Garça

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Feliz 2013!

Nossa esperança

ELE NÃO ESTÁ LÁ!



Desejo a todos meus amigos, irmãos, companheiros, colaboradores e qualquer outro nome que se possa dar, pois têm me ajudado a manter meu Blog.

Pois, se vocês não visitassem, não lessem, não se interessassem, eu não teria animo para continuar buscando informações para publicar.

Sou grato a Deus por vocês!

Que 2013 nos traga renovo, de todos as formas.

 Números 6 24-26

24 O Senhor te abençoe e te guarde;
25 o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre ti, e tenha misericórdia de ti;
26 o Senhor levante sobre ti o seu rosto, e te dê a paz.


domingo, 30 de dezembro de 2012

Os 10 pastores que não respeito e não admiro


Por André Sanchez



Maus líderes existem aos montes dentro das igrejas. O joio está espalhado dentro da igreja como ensinam as escrituras (Mt 13. 26). Isso não é novidade para ninguém. Apesar de designar aqui o termo “pastores” a essas pessoas que citarei abaixo, não tenho a intenção de diminuir aqueles que fazem jus a esse termo tão lindo mostrado nas escrituras, e que realmente pastoreiam de coração as ovelhas do Senhor. Usei esse termo somente para facilitar a identificação dessas pessoas.

OS DEZ PASTORES QUE NÃO RESPEITO E NÃO ADMIRO:

1- O que faz do púlpito um palco de shows  

A exposição da Palavra é esquecida e substituída pelo talento hollywoodiano desse pastor, que explora as mais diversas técnicas para cativar os seus expectadores, fazendo do show o protagonista do culto. Ele é a estrela e não Cristo e Sua palavra. Seu púlpito é lugar de entretenimento, de show, e não de pregação, de transmissão da voz de Deus.

2- O que explora financeiramente as ovelhas 

Esse pastor é muito ambicioso e tem planos de crescimento. Porém, para a realização dos seus planos, precisa de muito dinheiro. E esse dinheiro é retirado das ovelhas, através das mais diversas técnicas de extorsão (legais) – e algumas vezes ilegais e antiéticas. Ele não liga para o que a Bíblia ensina e inventa formas de arrecadação para realizar seus sonhos megalomaníacos. As ovelhas são iludidas, exploradas e sugadas até a última gota que podem dar.

3- O que insiste em querer fazer a agenda de Deus 

Um pastor que quer determinar lugar, dia e hora para Deus agir não merece meu respeito. Segunda-feira: Deus age na família; terça-feira: nas finanças; quarta-feira: Deus dá o Espírito Santo; quinta-feira: Deus faz conversões e sexta-feira: Deus liberta as pessoas de demônios. Deus agora está preso em uma agenda criada pelo homem? Para esse pastor, Deus deve adequar-se à sua programação semanal.

4- O que ilude as pessoas com amuletos, objetos ungidos e unções que não vêm de Deus 

Esse pastor escraviza pessoas em crendices e superstições que não são encontradas e ordenadas na Bíblia. Desvia a fé que deveria ser unicamente no Deus soberano para objetos e unções – falsas – e extravagantes. Trabalha com a ilusão, com a ambição, com a falta de conhecimento de muitas das ovelhas que lhe ouvem. É um ilusionista do púlpito!

5- O que “profetiza” o que Deus não mandou profetizar 

Usa sua influência sobre as pessoas para “profetizar” e “revelar”. Porém, não usa a Bíblia, que é a revelação e é onde se encontram as profecias de Deus para a vida de seus servos. Lança profecias das mais variadas para as pessoas. Normalmente suas profecias são absurdas e vazias, porém, a cegueira e falta de conhecimento das pessoas sobre a Palavra de Deus, abre portas para que essas “profecias” sejam cridas como verdade.

6- O que faz com que seus fieis o adorem 

Ele é visto como um semideus pelos seus fieis. Ele é o poderoso, ele faz milagres e sinais acontecerem, ele é o rei e o centro dos cultos. O pior de tudo é que não faz nada para mudar essa situação, pois adora ser paparicado, adora status, adora demonstrar seu grande “poder” e ser ovacionado pela multidão. Seu prazer é ver multidões afluindo em sua direção com desejo de glorificá-lo. Não prega para pouca gente, só aparece quando tem pessoas suficientes para massagear seu ego insuflado.

7- O que usa o dinheiro das ofertas para seu próprio enriquecimento 

Esse pastor-empresário é formado e pós-graduado em enriquecimento usando a igreja. Tem fortuna e bens luxuosos, tudo adquirido com a ajuda das ofertas dos membros de sua igreja e de quem mais querer ajudá-lo a “evangelizar”. Segundo ele diz, todo o dinheiro das ofertas é usado para a obra de Deus, porém, seu patrimônio o acusa. Ele engana multidões – e babacões – que bancam sua vida de ostentação e riqueza, pois não podem questionar a palavra do todo poderoso líder.

8- O que prega a teologia da prosperidade 

Um pastor que diz que pobreza é maldição, que o crente verdadeiro será reconhecido pela sua prosperidade material, e outras abobrinhas sem embasamento bíblico, não merece admiração. Se a teologia da prosperidade é um câncer como alguns dizem, esse pastor é um espalhador de doenças no meio do povo.

9- O que usa versículos isolados da Bíblia para fundamentar doutrinas destruidoras 

Esse pastor adora inventar doutrinas usando versos bíblicos isolados, cuja interpretação isolada, sem considerar contextos e outras boas regras de interpretação, favoreçam seus pensamentos e desejos. É um manipulador ardiloso dos textos sagrados, visando unica e exclusivamente que a Bíblia se enquadre em seus pensamentos e planejamentos.

10- O que [acha] que determina a ação de Deus 

É uma piada dizer que um homem determina algo ao Todo-Poderoso, mas essa ousadia acontece. Palavras ousadas saem da boca desse pastor, que ora determinando, ordenando, exigindo que Deus faça determinadas coisas que, segundo ele, Deus tem de fazer. Coitado, não tem nem noção da besteira que faz! E o pior: ensina as pessoas a agirem também assim!

NÃO POSSO ADMIRAR E RESPEITAR PASTORES COMO ESSES!

Fonte: Gospel+

Profecias para 2013. Será um ano pior do que 2012?


Postado por 

Esta é a época em que os profetas de plantão saem das tocas. Quando eu era jovem os astrólogos dominavam a cena. Omar Cardoso era uma celebridade nacional[1] no meio de uma constelação meio obscura de personalidades que pontificavam as previsões para o ano seguinte. Estes escreviam também, religiosa e mercenariamente, em todos os sentidos, as inúteis colunas de horóscopos, de ávida leitura obrigatória em todos os jornais e revistas.

Não sei muito bem o que aconteceu, mas eles saíram um pouco de cena. Sei que ainda estão presentes e muitos os seguem, mas não têm a mesma notoriedade ou repercussão do passado. O país ficou mais cético? Talvez. É possível, também, que a prática de algumas revistas, de compararem as previsões com as realizações, contribuiu para um descrédito maior destes futurólogos, ainda que as Ana Maria Bragas da vida continuem a promovê-los, junto com numerólogos, grafólogos e outras sandices do gênero.

Suspeito, entretanto, que com a multidão de apóstolos, reis, vice-deuses, operadores de maravilhas e propagadores de prosperidade, que pululam o nosso mundo evangélico uma classe esteja substituindo a outra. Acho que muitos líderes evangélicos pensaram: “por que deixar o monopólio das predições só para eles? Vamos pegar uma fatia desse interesse”. Afinal estamos na era dos sete passos para isso, dez degraus para aquilo, cinco princípios para a prosperidade total, e por aí vai. O fato é que não há carência de profecia, nesta terra, ainda que de evidente procedência humana. E nesse campo, a credulidade é espantosa – muitos continuam ansiosos para saber o que vai acontecer no mundo, no país e em suas vidas.

Bom, aqui no Tempora, vou fugir um pouco da nossa linha reflexivo-crítica e, para não ficar de fora da onda do momento, farei dez previsões para 2013. Podem me responsabilizar por elas, mas deem uma trégua até dezembro do ano que vem, pelo menos.

O que vai acontecer, então, em 2013?

1. A corrupção vai continuar

Ou vocês acham que ela acabou com o julgamento do mensalão? Os escândalos continuarão aflorando, ainda que a chamada “sociedade” esteja mais antenada e a imprensa gostando do aumento de circulação que essas notícias propiciam. Vemos apenas um pedacinho do iceberg e a parte submersa é mais volumosa, destrutiva e letal. Para os cristãos, isso não deveria ser surpresa, pois a corrupção está enraizada no coração das pessoas – até no daquelas que criticam os corruptos públicos, ou pegos com a mão na botija. Jeremias 17.9 diz: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá”?

2. Os preços vão aumentar

Ainda que se propague que a inflação está “sob controle”, os indicadores registram aumentos incompatíveis com uma economia estável e os preços dos serviços aumentam acima deles. O dólar continua subindo e algumas vozes iluminadas no governo defendem um patamar de R$2,40 – insensíveis à dependência que os demais preços possuem do relacionamento cambial. Sobe o dólar e tudo fica mais caro e mais difícil. A voracidade de taxação do governo está também sempre presente e chegam a ser cômicas, se não fossem trágicas, as “soluções” estatais para controlar os preços: aumenta-se a alíquota do IPI (como no caso dos automóveis chineses) e depois dá-se um desconto, por decreto, por um tempo. Enfim, nada mudou no governo desde o tempo em que o povo de Israel clamava por um Rei e foi avisado pelo profeta Samuel que não se esquecesse de que a máquina governamental iria sugar milhões para se sustentar, pela opressão fiscal. Em 2013, o governo continuará voraz e todos nós pagaremos uma conta cada vez maior. A realeza do Real está cada vez mais diluída, relembrando Isaías 1.22: “A tua prata se tornou em escórias”.

3. A vida vai permanecer difícil com tribulações, enfermidades, injustiças. 

Cresce a expectativa de vida, avança a medicina, organiza-se o poder judiciário, mas as agruras desta vida, consequência genérica do pecado (nem sempre específica, na vida dos que sofrem) são realidade incontestável. “No mundo passais por aflições”, já alertava Jesus (João 16.33). A criação “geme e suporta angústias até agora” ansiando pela “redenção”, ensina Paulo (Romanos 8.22 e 23). Assim desconfie daqueles que prometem a tranquilidade e saúde aqui na terra. Isso não vai ocorrer em 2013.

4. A violência não vai dar muita trégua. 

Vivemos em uma era onde os governantes acham que têm direitos (e não, necessariamente, responsabilidades) sobre tudo e a necessidade de exercer o controle sobre todos. Na prática, os governantes terminam fazendo pouco e mal. Esquecem-se da responsabilidade primordial (Rom 13.1-7), que a de serem “vingadores” dos inocentes e garantir a segurança dos seus cidadãos. Os cristãos não deveriam promover (e nem confiar em) um estado messiânico, na esperança de que todos os seus problemas serão supridos por um poder terreno, falível e temporal. Enquanto estimulamos os governantes a se ocuparem de tudo (ou não os desestimulamos de fazer isso), eles descuidam da segurança. Em 2012 ficou evidente que o governo não se ocupou adequadamente nem conseguiu garantir a vida de seus próprios integrantes, haja visto as inúmeras execuções sofridas pela força policial de vários estados, quanto mais a nossa! As perspectivas para 2013 não são nada animadoras, em um país onde ocorrem mais de 50 mil assassinatos por ano, a maioria dos quais sem qualquer punição. Uma situação para pensarmos cada vez mais na paz real, que vem de Jesus (João 14.27) – “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize”.

5. Os engarrafamentos vão piorar.

Em São Paulo existe um veículo para cada dois habitantes. A cada dia cerca de 500 veículos novos começam a circular em suas vias. Nas grandes capitais a média diária de veículos novos que adentram as ruas é quase essa, pois a proporção por habitante é ainda menor. Em minhas viagens já vi que engarrafamentos, que eram uma característica típica de São Paulo, há algumas décadas, já são uma constante no Rio, Recife, Brasília, Aracajú, Porto Alegre e tantas outras grandes cidades do nosso país. Está cada vez mais difícil se locomover e a cada dia é mais importante morar perto da escola ou do trabalho. Alguns companheiros mais ousados deixaram os carros para trás e recorreram às motos, para o transporte diário: que estes sejam alvo de redobradas orações! Nessa situação é preciso o desenvolvimento crescente da virtude da paciência, bem como o exercício da criatividade, para que a hora perdida no trânsito seja ganha de alguma maneira. Que tal uma resolução para 2013, de se ouvir a Palavra, ou um “podcast” que edifique? Pense no Salmo 119.48: “...  levantarei as mãos e meditarei nos teus decretos”, mas conserve as mãos no volante!

6. Os vendedores de felicidade “aqui e agora”, o engano do evangelho da prosperidade vai permanecer. 

Alguém poderia fazer o prognóstico que a farsa mercantilista da “felicidade já” terá vida curta, pois, pragmaticamente, as pessoas constatarão a falsidade das promessas. Mas parece não haver limite ao desejo das pessoas de ouvirem coisas agradáveis sobre os seus dias futuros, principalmente se há apelo às recompensas materiais. Em paralelo, esse tipo de mensagem traz muito lucro aos proponentes, O curioso apelo de que “não deixe esse programa sair do ar” (para que possa continuar transmitido a pedir mais e a vender mais), continuará em 2013. Personalidades do campo evangélico que, no passado, rejeitaram essa fórmula claramente pagã continuarão a ser cooptados por ela, desviando o foco das verdadeiras necessidades das pessoas, como identificou apropriadamente Cristo, no caso da Mulher Samaritana (João 4.13-14) – a “água viva” que mata a sede para sempre. Em 2013, espere a continuidade da parada televisiva diária, e das grandes cruzadas dos propagadores de felicidade: mensagens terrenas, com linguajar evangélico.

7. As teologias e explicações humanas aos fenômenos da natureza permanecerão pródigas, no ministério de alguns. 

A virada do ano (2012-2013) trouxe um filme – “O Impossível” – que poderosamente nos relembrou dos acontecimentos do Natal de 2004, quando um Tsunami devastou a vida de quase 300 mil pessoas nas costas da Indonésia e Tailândia, bem como de outros países e ilhas circunvizinhas. Ainda que as imagens do Tsunami de 2011, no Japão, sejam mais poderosas, a tragédia de 2004 se constitui uma das mais perturbadoras na história da humanidade. Mas isso nos lembra, também, os teólogos relacionais (ou da teologia do processo), que retiram de Deus qualquer poder sobre as questões futuras. Para essas e outras tragédias, recorreram a explicações simplistas e naturalistas, dizendo que “Deus não tem nada com isso”, contrariando as afirmações bíblicas de que ele é Senhor Soberano sobre toda a criação, inclusive sobre as forças “da natureza”. Em 2013, esses teólogos continuarão fazendo estragos e desviando a muitos; procurando aquietar a própria perplexidade perante essas situações, preferem recorrer aos devaneios da mente, em vez de se renderem às afirmações da Palavra inspirada de Deus (Salmo 29.3; Isaías 29.6; Jonas 1.4).

8. As igrejas irão buscar mais e mais formas de entretenimento; as mensagens ficarão mais curtas; os caminhos da graça, mas distantes da Palavra. 

Agora que a chamada grande mídia, com os olhos na lucratividade do segmento, abraçou com todas as honras o segmento gospel; nestes tempos em que a adoração dá lugar às celebridades e à chamada “celebração”; nestes momentos em que se diluem os limites entre o espetáculo e o culto devido ao Senhor; devemos esperar uma intensificação do entretenimento nas igrejas, como se fosse apenas uma maneira mais contemporânea de cultuar. Preparem os ouvidos. Coloquem os óculos escuros. Tragam os decibelímetros. O volume vai aumentar. As coreografias vão se expandir. A prosseguir a tendência, as igrejas vão gastar mais dinheiro na iluminação e nos efeitos do que na parafernália eletrônica de amplificação. E o que vai ser sacrificado? A pregação, é claro! Está cada vez mais fora de moda, ainda que Deus especifique, em sua Palavra, que é o método determinado por ele para a propagação de suas verdades (Romanos 10.13-15). Ela vai sendo encurtada e a congregação “entregue” ao pregador depois de exaurida física e emocionalmente durante uma hora e meia, para uns minutos finais, como se fosse só para desencargo de consciência. Adentramos, assim, a zona perigosa de manifestações cúlticas de grande intensidade, mas que desagradam a Deus; onde a verdadeira adoração está ausente, como nos tempos de Amós (5.23 e 6.5), onde havia abundante louvor e transbordante música instrumental: “Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos, porque não ouvirei as melodias das tuas liras”. Deus fala contra os que cantavam “à toa ao som da lira”, pois era tudo centralizado na auto-gratificação e entretenimento: diz o profeta que a intenção não era o louvor a Deus, pois inventavam“instrumentos musicais para vós mesmos”. E há, ainda, os que procuram se dissociar dessa corrente, mas apontam caminhos da graça estranhos aos da Palavra de Deus e à graça das Escrituras; com palavras que se alternam entre a virulência e a aparente piedade, mas que patinam entre a acomodação e encorajamento de formas comportamentais e sociais condenadas na Bíblia. A julgar pelo crescente número de seguidores e defensores, 2013 certamente será um ano “de arromba”, para esses segmentos do evangelicalismo contemporâneo.

9. A ira inconsequente e difamações de alguns profetas do caos, dentro do campo evangélico, permanecerão sendo lançadas contra servos fiéis. 

Virou moda, para alguns expoentes no campo evangélico, voltar os canhões da agressão contra servos fiéis, propagadores da palavra de salvação, defensores da teologia da reforma, difamando-os como “mundanos”, inconsequentes, protetores dessa ou daquela corrente – simplesmente por não compartilharem com a metodologia e mensagem agressiva abrigada por esses vasos de ira. 2013 não dá mostras de que esse recurso destinado à manutenção dessas figuras controvertidas no ápice da notoriedade, pela controvérsia, vai desaparecer, ainda que os tiros costumem sair pela culatra. Esses profetas do caos continuarão disparando antes de examinar; exibindo uma suposta coragem, que acomoda, na realidade, uma covardia de métodos e ausência de princípios; preferindo alianças políticas, e pseudo-espirituais, espúrias à verdadeira comunhão dos santos. Em 2013, não nos esqueçamos de Tito 3.10:“Evita o homem faccioso, depois de admoestá-lo primeira e segunda vez”. Evitemos aqueles que não se importam com as advertências de Tiago (3.14): “Se... tendes em vosso coração inveja amargurada e sentimento faccioso, nem vos glorieis disso, nem mintais contra a verdade”.

10. No entanto – no meio das perturbações e confusões deste mundo, em 2013, a graça de Deus continuará a ser manifestada – até que Ele cumpra os seus propósitos em sua criação. 

Não; nem tudo é sombrio no horizonte próximo, ou tem teor negativo. Podemos identificar os seguintes sinais encorajadores e positivos na igreja de Cristo, para o ano de 2013:

a.      Renascimento de um interesse saudável pela sã doutrina: Creio que nunca houve tanto interesse pelo estudo sério da Palavra de Deus e das doutrinas cardeais da fé cristã; dos pilares redescobertos pela Reforma do Século 16, do que nos dias de hoje. Não me refiro a números espetaculares, mas a um segmento firme, interessado e fiel, que tem abordado a Palavra de Deus com seriedade. Esse grupo surge em várias denominações e nele encontramos inúmeros JOVENS! Uma juventude que dialoga, se reúne e pesquisa a Bíblia; que emprega tempo em evangelização; que se preocupa em agradar a Deus e em tomar conta de suas vidas, além da doutrina, como nos instrui Paulo (1 Timóteo 4.16). As palavras de 1 João 2.14 soam muito bem para 2013, pois creio que essa tendência continuará crescendo: “Jovens, eu vos escrevi, porque sois fortes, e a palavra de Deus permanece em vós, e tendes vencido o Maligno”.

b.      Pais criando os filhos – cerrando as trincheiras da família: O ataque institucional contra a família vem levando muitos pais a reconhecerem a necessidade de se empenhar mais, de lutar, de se envolver com mais intensidade na defesa da família. Em 2013 creio que veremos cada vez mais pais conscientes dessas responsabilidades. Incrivelmente, até entre pais descrentes encontramos aqueles que querem algo diferente para seus filhos.

c.      Testemunho dos cristãos na sociedade: Contra aborto e a dissolução sexual. Em paralelo ao fortalecimento da família, pelos cristãos, o mundo evangélico toma consciência de que, como cidadãos, precisam dar um testemunho mais intenso e eloquente. A sociedade já abriga o divórcio automático; já há a aceitação tácita do aborto, a caminho da legalização geral; e a instituição do casamento está sendo redefinida, já não mais se segue a definição bíblica (e constitucional) de união entre um homem e uma mulher, mas as portas estãos escancaradas para a legalização e aceitação, como natural, do casamento homossexual. Em 2013 a voz dos cristãos continuará ressoando, ainda que eu tenha convicção de que esse é o grande teste para a Igreja – quando legalizarem algo claramente contrário à Palavra, quantas terão coragem de se manter fiel às diretrizes divinas?

d.      Escolas Cristãs: Já há algumas décadas a multiplicação de escolas cristãs vem ocorrendo. Pedagogos cristãos vêm reconhecendo a necessidade de abordar o campo educacional sob uma cosmovisão cristã. 2013 verá um aumento desses esforços e a multiplicação de materiais didáticos abordando todas as áreas de conhecimento com premissas cristãs. Creio que a influência, nessa esfera, não somente cruzará linhas denominacionais, como transcenderá o campo evangélico em futuro próximo, pela qualidade do material e dos pedagogos envolvidos nesses programas.

e.      Mídia social e Internet como meio de evangelização e instrução: A internet, considerada por muitos como uma maldição, pode sim ser instrumento de bênçãos e de evangelização. Em 2013 as redes sociais serão utilizadas com mais objetividade e de maneira mais abrangente, especialmente pelos jovens. Uma pessoa pode alcançar muitas, se fizer com jeito, cuidado e competência. Uma mensagem pode atingir repercussões positivas inesperadas. O cuidado a ser tomado, é o de não considerar esse tipo de relacionamento como substituto das interações pessoais, pessoa a pessoa; nem como substituto da pregação, como já observamos.

f.       Mais e melhor literatura cristã de boa qualidade. Pela graça de Deus, mesmo no mar de publicações inconsequentes, muitos livros cristãos bons têm sido publicados, divulgados e adquiridos. Editoras sérias e fiéis têm se mantido sustentáveis. Conferências de porte têm sido realizadas, divulgando essas publicações e autores internacionais. Autores brasileiros têm surgido, alguns com repercussão internacional. 2013 verá a expansão dessas publicações e suas atividades correlatas.

g.      A graça comum possibilitará freio a muita criminalidade, pela exposição dos praticantes: Quando parece que o pecado “corre solto”, Deus, em sua misericórdia pela sociedade providencia exposição para que muitos vejam que esses delinquentes não são invisíveis. Por vezes nos surpreendemos com a graça divina que distribui a bênçãos a todos, mas a Bíblia diz (Mateus 5.45) que Deus “faz nascer o seu sol sobre maus e bons e vir chuvas sobre justos e injustos”. É ele, também, que restringe o pecado, para que os seus propósitos sejam cumpridos. Devemos ser mais perceptíveis dessa graça comum, e, em 2013, agradecer continuadamente a Deus, pois é ela que possibilita, também, a nossa existência em um mundo tenebroso.

São essas minhas profecias para 2013. Sem horóscopo, sem mágicas, sem revelações espúrias; apenas observando o contexto e o mundo em que vivemos, e a forma como estamos sendo sustentados pela verdadeira graça divina. É esse poder de Deus que entrelaça os fios de nossas vidas em uma maravilhosa obra de arte, como já observou Edith Schaeffer em seu livro The Tapestry.[2] Feliz 2013 a todos os nossos leitores, da parte dos três que interagem com vocês, neste Blog.


[1] Homar Henrique Nunes (1921-1978) era o seu nome verdadeiro. Seu horóscopo anual atingia a marca dos 300 mil exemplares. Sua coluna diária de previsões circulava em 140 jornais brasileiros.
[2] Edith Schaeffer, The Tapestry: the life and times of Francis and Edith Schaeffer (Waco, Texas: Word Books, 1981). Essa metáfora foi também, magistralmente, colocada em canção por Stênio Marcius Botelho Nogueira e gravada por ele (1998) e por outros, inclusive o João Alexandre (1999). 

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Pastor afirma que Jesus poderia ser gay


Uma polêmica iniciativa de uma igreja na Nova Zelândia repercutiu na mídia local e em diversos países.

Em sua campanha de Natal, a igreja St. Matthews in the City veiculou um anúncio de outdoor com uma imagem do menino Jesus com uma espécie de auréola nas cores do arco-íris, que é identificado no mundo todo como símbolo homossexual.

No cartaz, há ainda um trocadilho, que permite interpretações dúbias: “É Natal. Tempo de Jesus sair”. A expressão pode ser interpretada como sair da ventre ou do armário, o que levaria à insinuação de que Jesus seria gay.

A ideia, segundo Glynn Cardy, pastor responsável pela igreja, é que é necessário atrair os membros da comunidade gay: “Faria alguma diferença se ele fosse gay? Teria que mudar a imagem para você? Significaria que deveríamos mudar nossa reverência a ele?”, questiona o pastor.

Como a sexualidade de Jesus não é um tema presente na Bíblia, o pastor se justifica: “O fato é que não sabemos qual era sua orientação sexual”, disse Cardy, ao site Stuff.

O próprio site Stuff afirma que a iniciativa polêmica é interpretada pelas pessoas como um desvio acentuado da conduta cristã tradicional.



Por Tiago Chagas, para o Gospel+



O que este falso profeta parece desconhecer é um postulado central no sacrifício salvífico de Cristo: Sobre ele não havia qualquer pecado, estando,  portanto, explicito que a sodomia não poderia fazer parte de sua vida, assim como nenhum outro pecado. Jesus jamais pecou.

Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

Bíblia Gay é Lançada. Conheça a Versão da Original King James, a Rainha James


“Você não pode escolher a sua sexualidade, mas você pode escolher Jesus. Agora, você também pode escolher sua Bíblia”, diz o site da Queen James Bible, lançada em inglês.

Segundo os autores, a homossexualidade – e sua condenação - foi incluída na Bíblia em 1946 e aparece apenas em oito versos. O grupo editou esses oito versos, segundo a versão original em inglês, autorizada pelo rei James I, no século XVII. 

Para os criadores da “The Queen James Bible”, o rei James I era conhecido por seus amantes do mesmo sexo e sua Bíblia impactou em toda a Inglaterra e na Igreja Anglicana, por quem foi adotada por mais de 400 anos. 

Bissexual, o rei também foi  citado como conhecido por Rainha James em suas rodas de amigos, por conta de sua personalidade excêntrica. Rei James I apesar de ser casado, vivia abertamente casos com outros homens.
  
Os autores gays defendem que o foco é fazer a correta interpretação de termos tais como abominação e sodomia. Traduzi-los como homossexualidade é errado já que essa expressão só foi colocada pela primeira vez em bíblias em 1946 e de acordo com a mentalidade conservadora de religiosos mais contemporâneos.


Autores concluem dizendo que bíblia gay foi escrita diretamente por Deus e Jesus como co-autor.

Produzida nos EUA, a Bíblia pode ser comprada por US$ 34,95 no site Amazon.com. 



Olha só como é por dentro a bíblia gay, toda distorcida...





Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Decretos espirituais e morte de uma menina peruana


Por Renato Vargens

Volto e meia eu ouço algumas pessoas afirmando que todas as bençãos de Deus pertencem a elas e que Deus é obrigado a obedecer as  ordens e decretos espirituais que emanam do seu povo. 

Pois é, estou no Peru pregando o Evangelho da Salvação Eterna e fiquei sabendo de um fato ocorrido numa igreja peruana que muito me chocou.  Uma adolescente de 15 anos acometida de um câncer nos ossos foi orientada pelos médicos a fazer uma cirurgia juntamente com tratamento quimioterápico. Todavia, o pastor da igreja a qual a moça fazia parte proibiu a familia de começar o tratamento, visto que ele, pastor,  havia decretado no mundo espiritual a cura da menina, o que infelizmente não aconteceu. 

Para o pastor desta igreja, Deus era obrigado a OBEDECER suas ordens, determinações e decretos espirituais e que em virtude disto nenhum tratamento médico deve ser feito naqueles que se encontram enfermos.

Caro leitor, ao saber dessa triste notícia meu coração foi tomado por  uma profunda tristeza. 

Ora, bem sei que Deus é poderoso para curar toda enfermidade, mesmo porque, o Deus de ontem é o mesmo Deus de hoje, e será o mesmo sempre! Aleluia! Eu mesmo posso testemunhar inúmeros casos de pessoas que foram curadas pelo seu maravilhoso poder! Agora, afirmar que Deus é obrigado a curar qualquer enfermidade simplesmente pelo fato de que nos deve isso, beira a heresia. 

Prezado amigo, ao contrário do que alguns pastores ensinam, Deus não nos deve absolutamente nada. Segundo as Escrituras devido aos nossos delitos e pecados estávamos condenados a morte eterna, entretanto, mediante o seu grande amor Ele enviou seu filho Jesus para morrer em nosso lugar, dando-nos salvação. Além disso, vale a pena ressaltar que a prática do decreto e da oração determinista não possuem bases bíblicas. Os defensores deste tipo de oração fundamentam seus comportamentos no evangelho de João, capítulo 14, verso 13, afirmando que o termo usado como pedir foi mal traduzido, isto porque, segundo estes, a palavra no original jamais teve a idéia de pedir alguma coisa, e sim de determinar algo. Entretanto, ao contrário do que tais profetas afirmam, o texto grego aponta efetivamente para alguém que pede, sem contudo exigir o cumprimento daquilo que deseja. Ora, onde já se viu um filho determinar o que quer que o pai faça? Ou, de modo semelhante um servo ordenar o que deve ser feito ao seu senhor? O filho é submisso ao pai e o servo é submisso ao seu senhor. Se Deus é nosso Pai, então devemos honrá-lo como tal. Se ele é nosso Senhor, então a nossa postura deve ser de servos.

Lamentavelmente a adolescente morreu e ontem no seu enterro o pai dizia: "Deus me abandonou, Ele não me ama, Ele não ouviu o meu decreto espiritual."

Que Deus nos ajude, e tenha misericórdia de seu povo!

Pastor afirma que “igreja inclusiva” é uma aberração e pode ser chamada de “evangaylho”


Já algum tempo as “igrejas inclusivas” está em nosso meio com a intenção, como o nome mesmo diz incluir na Salvação os homossexuais sem a necessidade de abandonar a prática, mas esta “teologia inclusiva” foi rebatida pelo pastor Ciro Sanches em um post em seu blog.-Confira e comente… 

O pastor Ciro Sanches Zibordi publicou no seu blog, esta semana, um texto abordando “teologia inclusiva” ou “igreja inclusiva” que, segundo ele “são uma aberração à luz das Escrituras”.
Sem citar diretamente o nome, Ciro fala sobre a Pastora Lana Holder, umas das maiores defensoras da Igreja Inclusiva no Brasil.
De acordo com ele, a L.H., como ele a chama, é “ao mesmo tempo, ex-homossexual e ex-heterossexual”.
Lana Holder viajou o mundo, dizendo que havia sido liberta do lesbianismo, diz ele. Entretanto, segundo o pastor da Assembleia de
Deus, devido a uma recaída voltou de forma convicta ao mesmo pecado, defendendo e “propagando com convicção o pseudo-evangelho gay”.
O teólogo aponta que as igrejas inclusivas usam as passagens bíblicas para basear os seus conceitos, denominados, ironicamente, por ele eisegese, e “exegayse”, no caso da L.H.
Segundo ele, Lana faz uma reinterpretação de texto da Bíblia, dando novas definições e entendimentos dos textos que tratam do pecado da homossexualidade, distorcendo o Evangelho. Ela afirma ainda que os praticantes da homossexualidade serão salvos mesmo sem deixar esse pecado.
“O falso Evangelho pregado por ela poderia ser chamado perfeitamente de ‘evangaylho’”.
Ciro declara ainda respeitar as opiniões pessoais, inclusive das que defendem a homossexualidade. No entanto, ressalta que a “pregadora em apreço” usa a palavra de Deus para fundamentar a sua “má exegese”.
Ciro ainda afirma que se compadece de sua alma e dos que estão sendo iludidos pelo falso evangelho por ela pregado.
“Em resumo, L.H. enganou o seu esposo, os seus amigos, o povo de Deus e está enganando a si mesma. Mas nunca enganará o Espírito Santo!”
“Afinal, a Palavra de Deus afirma: ‘Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará’ (Gl 6.7)”.
Confira o texto na integra com o titulo: A “exegayse” e o “evangaylismo” da teologia inclusiva e comente…
A interpretação da Bíblia e a estratégia de evangelização do movimento chamado “teologia inclusiva” ou “igreja inclusiva” são uma aberração, à luz das Escrituras. No Brasil, a principal propagadora desse segmento é uma famosa pregadora, cujas iniciais do nome são L.H. (não me pergunte o nome dela!), a qual é, ao mesmo tempo, ex-homossexual e ex-heterossexual.
L.H. viajou pelo mundo todo para dizer que havia sido liberta do lesbianismo e, depois, voltou (voltou?) de modo convicto à prática desse pecado, o que implica iniquidade. Quando se dizia ex-lésbica, ela chamava à frente o seu marido — ao som de muitas glórias a Deus — e dizia que Jesus Cristo havia transformado a sua vida por completo, libertando-a da homossexualidade e dando-lhe uma linda família. Algum tempo depois, teve uma grande recaída nos Estados Unidos e, atualmente, propaga, com convicção, o pseudo-evangelho gay.
A eisegese — não confunda com exegese — de L.H. poderia ser chamada de “exegayse”, visto que ela faz uma releitura do texto sagrado, dando novas definições às históricas interpretações dos textos que tratam do pecado da homossexualidade. O falso evangelho pregado por ela poderia ser chamado perfeitamente de “evangaylho”. Afinal, a sua missão principal à frente de uma “igreja inclusiva”, em São Paulo, tem sido a de torcer o Evangelho, afirmando que o praticante da homossexualidade será salvo mesmo sem deixar esse pecado.
Respeito a opinião das pessoas, inclusive a das que defendem a homossexualidade. Isso é um direito que lhes assiste. Entretanto, a pregadora em apreço pensa que pode usar a própria Palavra de Deus, o Livro do Senhor, para fundamentar a sua má exegese e afirmar que a homossexualidade não é uma relação pecaminosa. L.H., que visitou várias igrejas, no Brasil e no mundo, e usou o nome do Senhor — em vão, é evidente — para dizer que fora liberta do lesbianismo, agora assevera que o “sistema evangélico” a obrigava ser contrária à sua “orientação sexual”?!
L.H. passou rapidamente da condição de ex-homossexual para a de ex-heterossexual! Antes, uma pecadora arrependida, teve coragem de pedir perdão em público por ter tido uma recaída. Agora, dizendo-se vítima dos próprios evangélicos, levanta a bandeira da “teologia inclusiva” e oferece ajuda aos gays que, à semelhança dela, supostamente sofrem preconceito no meio evangélico?!
Em resumo, L.H. enganou o seu esposo, os seus amigos, o povo de Deus e está enganando a si mesma. Mas nunca enganará o Espírito Santo! Não lhe desejo o mal. Pelo contrário, compadeço-me de sua alma e dos que estão sendo iludidos pelo falso evangelho que ela prega. Afinal, a Palavra de Deus afirma: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gl 6.7).
Com amor e verdade (Jo 14.23), 
Ciro Sanches Zibordi

Seita evangélica diz que vive como nos tempos de Cristo, mas é investigada por tráfico internacional


Na comunidade, isolada na selva amazônica, as pessoas juram que Jesus Cristo já voltou e é peruano


Fantástico (Globo) fala de uma seita religiosa que vive como nos tempos de Jesus e se espalha pela Floresta Amazônica, na fronteira com o Peru. A seita virou motivo de preocupação para a Polícia Federal. A acusação: membros dessa seita estariam plantando folhas de coca para abastecer traficantes internacionais, e isso a poucos metros do território brasileiro. 

O dia ainda nem raiou, e elas já circulam pela cidade. São mulheres com véus e roupas longas. Os homens são proibidos de cortar os cabelos e a barba. Usam túnicas de cetim até os pés e mantos coloridos sobre os ombros. No meio da floresta, se vestem como há dois mil anos, na época de Cristo. 

São conhecidos como "israelitas". E fazem parte da AEMINPU - Associação Evangélica da Missão Israelita do Novo Pacto Universal - que foi criada na década de 60 por Ezequiel Gamonal. Ele teria recebido de Deus os dez mandamentos, assim como o profeta Moisés. 

Gamonal também ficou com a "missão" de enviar homens e mulheres para ocuparem a região que fica na fronteira do Brasil com Peru e Colômbia, ao longo do rio Javari. 

Nos últimos 15 anos, mais de seis mil pessoas migraram dos Andes peruanos para a selva amazônica. 

"Estamos navegando pelo Rio Javari, um marco natural da fronteira. Desse lado é Brasil, onde fica a terra indígena Vale do Javari, desse outro, Peru. Nos 1.800 quilômetros que separam os dois países existem 17 comunidades do lado peruano. Quinze delas exclusivamente de israelitas do Novo Pacto, segundo a Polícia Federal", diz a repórter Daniela Assayag. 

Em Tabatinga, no estado do Amazonas, há duas igrejas. A brasileira Ana Maria Adão, casada com um peruano, frequenta os cultos. Ela explica como as mulheres israelitas devem se comportar. 

“Tem que obedecer o marido, primeiramente a Deus, segundo o marido, porque o marido é a cabeça da mulher”, diz Ana Maria Adão, manicure. 

Ainda é madrugada quando partimos de Tabatinga para a Islândia. Numa pequena cidade peruana erguida sobre palafitas, os seguidores da seita israelita vivem de pequenos comércios. José Córdoba é um deles: nasceu nos Andes e chegou à região em meados dos anos 90. Antes de nos convidar para um culto, ele conta que o Peru é "a terra prometida e, por isso, o lugar escolhido para a segunda vinda de Jesus à Terra. 

“Que país do mundo, que povo do mundo venera o sol? O império INCA, o país do Sol”, declara o israelita José Córdoba. 

Com a roupa de gala usada aos sábados, nosso anfitrião nos recebe na porta do templo enquanto famílias chegam para a cerimônia. 

Incensos são queimados e há muita cantoria, incluindo até o hino do Peru. 

Os rituais de adoração duram o dia todo. No templo, os homens ficam de um lado e as mulheres de outro. Ajoelhados, reverenciam os dez mandamentos representados no altar através de cartazes. Para os israelitas do Novo Pacto, todas as bíblias são iguais. O que muda é a interpretação dada pelo homem. E, para eles, Jesus já está entre nós, e é peruano. 

Um dos chefes da seita explica que a autoridade máxima atual, Ezequiel Jonas Molina, é Jesus Cristo que hoje está na Terra. 

O Fantástico argumenta então que Ezequiel Gamonal, o fundador da seita, morreu no ano de 2000. Gustavo responde que o espírito, o espírito de Deus, agora está no filho dele: Ezequiel Jonas Molina. 

O filho teria herdado a divindade do pai - conhecido com "El Barón" ou "El Maestro". E vive nesta casa em Lima, na capital peruana, ao lado da sede mundial da seita. 

A seita que nasceu no Peru, se espalhou em outros oito países da América do Sul, quatro da América Central, Estados Unidos e Espanha. No Brasil, a sede principal fica em São Paulo. Nela, 60 peruanos e bolivianos frequentam os cultos aos sábados. Apesar de se apresentar como israelita, a seita não tem relação com o judaísmo. 

Um dos missionários diz que no Peru a Associação Evangélica dos Israelitas do Novo Pacto é uma religião oficial, mas a embaixada peruana em Brasíla não confirma. Lideranças evangélicas dizem que os israelitas do Novo Pacto também não são reconhecidos pelo Conselho Nacional de Pastores. 

“Existem mais de mil ramificações com nomes evangélicos, então é muito difícil, até para nós que estamos em uma entidade associativa, saber direitinho quem é quem. A não ser quando aparece, apontam um escândalo, uma denúncia, aí nós tomamos uma providência”, diz o vice-presidente do Conselho de Pastores do Brasil, Silas Malafaia. 

O missionário Antônio Marin, que participa dos cultos em São Paulo, discorda dos seguidores da fronteira. Para ele, Ezequiel Jonas Molina não é o próprio Deus, mas um enviado do Espírito Santo para preparar o mundo para o fim dos tempos. 

“Para nós, ele é o verdadeiro profeta de Deus na Terra”, diz Antônio Marin, missionário israelita em São Paulo. 

O avanço na seita na Amazônia peruana preocupa as autoridades brasileiras. 

Nós últimos cinco anos, plantações peruanas de folha de coca passaram a ser cultivadas próximo à fronteira com o Brasil. Junto com elas, laboratórios rústicos de refino de droga. De acordo com a Polícia Federal, desses laboratórios saem por ano de 50 a 100 toneladas de pasta base de cocaína que se destinam exclusivamente para o mercado brasileiro de consumo de entorpecentes. 

Imagens aéreas feitas pela Polícia Federal e pela Polícia Nacional Peruana mostram plantações de coca próximas a comunidades Israelitas do Novo Pacto. Só na região, já seriam dez mil hectares plantados. 

Investigações da Polícia Federal para o elo de alguns seguidores com o plantio. 

“Não há como dissociar essa seita e seus integrantes, que moram naquela região, da produção, do plantio e da colheita das folhas de coca. Então realmente a gente, deduz, e deduz com muita segurança, que aquelas famílias hoje vivem do plantio de coca. Infelizmente”, declara Sérgio Fontes, superintendente da Polícia Federal/AM. 

No meio da mata, descobriram um laboratório feito de madeira e lona. Os traficantes fugiram. No local, havia tanques forrados com plásticos, cheios de gasolina, para produzir a pasta base. 

Os policiais ainda encontraram nove quilos de cocaína prontos para o consumo. O laboratório foi destruído. 

“Não tenho a menor dúvida que a produção é destinada exclusivamente ao mercado brasileiro. A gente tinha como certo que a coca era plantada nos contrafortes dos Andes, bem distantes da nossa fronteira. Agora, nós temos plantações a dez metros do território nacional”, diz Sérgio Fontes - superintendente da Polícia Federal/AM. 

Nossa equipe foi até outra comunidade israelita no Peru. A Polícia Federal brasileira alertou que a área é perigosa por causa dos traficantes que circulam por ali. 

O repórter cinematográfico Luiz Quilião e o produtor Vianey Bentes enfrentaram dez horas de viagem de lancha subindo o rio Javari para chegar à Nova Jerusalém. 

O chefe da comunidade e ex-prefeito de Islândia, Demóstenes Alarcón Zamora, que está na região há 15 anos, nos leva até a casa onde vive. Orgulhoso, aponta fotos da cerimônia do casamento dele, vestido com a santa túnica. 

“Igual do tempo de Jesus”, diz. 

Ele faz questão de mostrar a vila. Passamos por casas simples. O chefe explica que enquanto os maridos estão trabalhando na lavoura, as mulheres só aparecem quando são chamadas. 

A comunidade vive da agricultura. Plantam hortaliças, vários tipos de frutas, principalmente abacaxi, para vender também na fronteira com o Brasil. 

Em uma área com entrada proibida são feitos sacrifícios de búfalos e cordeiros. O ritual ocorre em datas especiais, como a Páscoa e Pentecostes. 

Questionado sobre o envolvimento de israelitas na plantação de coca, Demóstenes não nega e reconhece que existem "ovelhas desgarradas". E, neste caso, segundo ele, a polícia é acionada. 

“Gostaria de esclarecer para a Globo Brasil: israelita não participa da plantação de coca. Alguns podem ter cabelo grande e barba, mas só na aparência, pois não são israelitas de coração”, declara o israelita Demóstenes Alarcón Zamora. 

Nos últimos sete anos, o cultivo da coca na fronteira peruana com cidades brasileiras teve um aumento de 300%. Esse ano, a Polícia Federal no Amazonas apreendeu, até agora, uma tonelada e oitocentos quilos de cocaína. O volume de produção tão perto do Brasil causa preocupação. 

“O risco dos plantios se transferirem para o território nacional é grande. Como está hoje a situação: estamos como um goleiro que espera um pênalti. É óbvio que vai entrar mais do que a gente vai conseguir defender”, diz Sérgio Fontes, superintendente da Polícia Federal/AM.

Veja o vídeo da matéria do Fantástico AQUI.


Com informações Surgiu/Globo.com




Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2012/12/seita-evangelica-diz-que-vive-como-nos.html#ixzz2EPjVkp4Y
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike