Discípulo do Mestre e Senhor Jesus Cristo

A Graça da Garça

terça-feira, 14 de maio de 2013

Um Consolador Paciente, Incansável e Amoroso



Nós lemos no texto de Is 57.19 o seguinte:
“Eu crio os frutos dos lábios: paz, paz, para o que está longe; e para o que está perto, diz o Senhor, e eu o sararei.”.
Este é o método do Espírito Santo ao administrar consolação. E sem este método nenhuma alma seria refrigerada espiritualmente debaixo dos seus abatimentos, porque nós somos dados a transgressões, ainda que sob o trabalho do Espírito Santo por nós. Mas Ele é um Consolador incansável, paciente, amoroso e perseverará até que sejamos sarados.
Somente amor e compaixão infinitos, trabalhando em paciência e longanimidade, podem continuar isto até a perfeição. Sejamos gratos ao Espírito Santo de todo o nosso coração por um tal trabalho de amor por pecadores imperfeitos como nós. Mas se nós não somente somos transgressores em ocasiões e tentações particulares, enquanto ficamos com nossa visão presente nublada quanto ao trabalho do Espírito Santo, mas também somos habitualmente descuidados e negligentes sobre isto, e nunca trabalhamos para ser achados numa condição adequada e satisfatória perante Deus, mas permanecemos indefinidamente em nosso mau procedimento até o ponto disto se tornar um vício e ficando endurecidos em incredulidade, com um coração ingrato e impuro, é certo que Deus não pode se agradar de uma tal condição.
Por isso somos exortados a sermos cuidadosos em não entristecer o Espírito (Ef 4.30).
Mas nisto também se comprova o amor do Espírito por nós, porque somente aqueles que nos amam ficam entristecidos com as nossas faltas.
Aqueles que não nos amam ficam simplesmente irados ou contrariados. Um professor severo pode ser mais provocado com a falta do seu aluno do que o pai dele, mas o pai fica entristecido com isto enquanto o professor não. Então, considerando que o Espírito Santo fica entristecido conosco porque nos ama como um pai a seu filho, nós devemos nos acautelar em não entristecê-lo, aprendendo com que amor e compaixão ele executa o Seu trabalho em nós e para nós.

Esta é a razão da promessa de Deus de consolar apenas aqueles que choram, porque são estes que se entristecem com o fato de saberem que o Espírito fica triste com os seus pecados e transgressões. E esta nossa tristeza pelo pecado, assim como a do Espírito, comprova em certa medida que de fato também nós amamos a Deus. E é nesta condição que a cura é prometida por Deus a nós.

Vivendo sem Focar a Eternidade



É alarmante o fato de haver não poucas pessoas que nunca se indagaram, senão teológica, ao menos ontologicamente, de onde vieram ou para onde irão depois da morte física. O resultado da falta da referida indagação conduz geralmente a um modo de viver negligente e descompromissado com todas as assertivas bíblicas relativas ao propósito da nossa existência, e do modo de se acessar a vida do céu.
É no evangelho que temos não apenas todas as respostas satisfatórias, como também o convite que nos conduzirá à transformação de nossas vidas, tornando-as úteis para os objetivos do nosso Criador. Por que e para o que existimos? Para onde podemos ir depois que sairmos do mundo pela morte? Alguns afirmam: “para que se preocupar com isto, se nada existe depois da morte?”.

Contudo Deus afirma que não apenas existe, como também que não haveria qualquer sentido vivermos por apenas um tempo, tendo consciência de que existimos, e depois esta consciência ficar perdida para sempre, e é por isso que nos faz o convite do evangelho para a solução de todos os aspectos envolvidos na questão vida e morte. Mas, há diferentes maneiras de responder ao convite do Evangelho quando você tem intenção de recusá-lo. Elas são todas, na melhor das hipóteses, ruins. Nós vemos isto na parábola das Bodas em Lucas 14.16-24:
Ele, porém, respondeu: Certo homem deu uma grande ceia e convidou muitos.  À hora da ceia, enviou o seu servo para avisar aos convidados: Vinde, porque tudo já está preparado. Não obstante, todos, à uma, começaram a escusar-se. Disse o primeiro: Comprei um campo e preciso ir vê-lo; rogo-te que me tenhas por escusado. Outro disse: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te que me tenhas por escusado. E outro disse: Casei-me e, por isso, não posso ir. Voltando o servo, tudo contou ao seu senhor. Então, irado, o dono da casa disse ao seu servo: Sai depressa para as ruas e becos da cidade e traze para aqui os pobres, os aleijados, os cegos e os coxos. Depois, lhe disse o servo: Senhor, feito está como mandaste, e ainda há lugar. Respondeu-lhe o senhor: Sai pelos caminhos e atalhos e obriga a todos a entrar, para que fique cheia a minha casa. Porque vos declaro que nenhum daqueles homens que foram convidados provará a minha ceia.
Deus chama todas as pessoas a se unirem espiritual a Jesus Cristo, mas muitos estão ocupados demais com seus próprios interesses para se preocuparem com isto, sem saberem que a rejeição do convite significa morte espiritual e eterna, porque é um convite para a vida eterna.

Que Tipos De Amigos Você Quer ou Precisa Ter?


Em Marcos – 2, conta-se a historia de um paralitico, em que 4homens (amigos) vendo seu sofrimento, decidem levá-lo à presença de Jesus…
Muitas vezes nos encontramos como esse paralítico de Cafarnaum. Atrofiados pela nossa pequena fé, não conseguimos chegar à presença de Deus, pois muitos são os obstáculos que cerram a porta, impedindo nossa passagem. É necessária a ajuda de amigos que tenham fé e conheçam bem quem pode nos ajudar. Que tipos de amigos nós temos? Os que apenas nos convidam para as “baladas”? Que dividem ou nos oferecem uma garrafa de cerveja? Ou amigos que se preocupam conosco, a ponto de nos oferecer a presença de quem realmente pode nos ajudar? Eu fico imaginando a cena: quatro homens carregando uma maca com um paralítico e subindo num telhado.

Depois, tirando algumas telhas, preocupados que ele não venha a cair, descem, lentamente, a maca bem na presença de quem acreditavam poder ajudá-lo. Só amigos com muito amor de Deus poderiam realizar tamanha façanha. Jesus vendo a disposição deles, a ousadia e , disse: perdoados estão seus pecados… a tua fé te curou, pegue sua maca e vá pra sua casa. Você pode imaginar a alegria de seus amigos vendo o paralitico voltando pra casa, com a maca na cabeça e andando com suas próprias pernas? É, de fato, precisamos de amigos assim que, não apenas sorriem pra gente, mas participem de nossas lutas, vitorias e fracassos. O interessante na história, também, é que Jesus nunca disse: a minha fé te salvou ou a minha fé te curou. Em muitos casos ele sempre disse: a tua fé te salvou ou a tua fé te curou. Demonstrando, com isso, que tudo na vida depende mais de nós que Dele.
Você pode ou não acreditar, como muitos dizem: “São historias escritas por homens, como acreditar nelas?” Sim, embora os anjos queiram muito realizar sua obra, (Foi a respeito dessa salvação que os profetas que falaram da graça destinada a vocês investigaram e examinaram, procurando saber o tempo e as circunstâncias para os quais apontava o Espírito de Cristo que neles estava, quando lhes predisse os sofrimentos de Cristo e as glórias que se seguiriam àqueles sofrimentos. A eles foi revelado que estavam ministrando, não para si próprios, mas para vocês, quando falaram das coisas que agora lhes foram anunciadas por meio daqueles que lhes pregaram o evangelho pelo Espírito Santo enviado dos céus; coisas que até os anjos anseiam observar”. 1 Pedro 1:10-12)
Ele deu a homens de bem essa missão de fazer e relatar seus feitos. Eu ainda prefiro acreditar em Sua Palavra como única regra de fé. Deus fez uma “maquina” chamada homem, e deixou-nos o manual de instruções para que possamos tirar o melhor dessa “máquina”. E esse manual não se interpreta com mentes humanas. Sua interpretação é feita por ela mesma e através do Seu Espírito Santo. Não se pode lê-lo como se lê uma revista ou uma noticia nos jornais. Quantas seitas e crenças são fundamentadas em versículos isolados. É um erro tremendo não lermos o texto e o contexto e, principalmente, não pedir a Deus sua total revelação através de Seu Espírito.